Portugal
Tudo o que envolve violência no Benfica "passa ao de leve", diz Pinto da Costa
2020-06-08 23:05:00
Pinto da Costa lança duro ataque ao Secretário de Estado da Juventude e do Desporto

Pinto da Costa, reeleito presidente do FC Porto no último domingo, concedeu uma entrevista ao Porto Canal e falou sobre o ataque de que o autocarro do Benfica foi alvo após o encontro contra o Tondela.

Para o dirigente portista, que já repudiou o sucedido, não estamos a caminhar para um período de insegurança, mas relembra casos nos últimos anos que envolveram adeptos do Benfica.

Ao mesmo tempo, Pinto da Costa assegura que alguns dirigentes atiraram “areia aos olhos das pessoas” em relação a este acidente e que tudo o que envolve violência no Benfica "passa ao de leve"

“Ainda recentemente um elemento da claque do Sporting foi espantando por uma dúzia de elementos da claque do Benfica; já houve uma morte por atropelamento..., mas acontece que quando são do Benfica aquilo passa ao de leve”, afirma Pinto da Costa.

“Desta vez houve coisa gravíssima: é que alguns dirigentes procuraram insinuar de que poderia ser retaliação da claque do Sporting. Isto é atirar areia aos olhos das pessoas”, acrescentou.

Em relação a estes últimos episódios de violência no futebol português, o presidente portista visa as entidades governamentais e João Paulo Rebelo, secretário de Estado da Juventude e do Desporto.

Segundo Pinto da Costa, não se mudou grande coisa com o trabalho do secretário de Estado.

“Não mudou grande coisa porque essas entidades fecham os olhos ao que se passou nas claques, ao que foi denunciado nos emails. Tudo o que aconteça de violência no Benfica ele não responde”, salientou.

O presidente do emblema azul e branco refere um caso que envolveu o irmão de João Félix, ex-jogador do Benfica transferido para o Atlético de Madrid, e que mereceu comentários por parte de João Paulo Rebelo.

“Quando o João Félix, à porta do hotel Solverde, foi empurrado por um catraio de 16 anos, o secretário de Estado veio repudiar. Passa-se o que se passa e não diz nada?”, concluiu.

Na mesma entrevista, Pinto da Costa falou sobre a governação de Pedro Proença na Liga e da reportagem do Público que indicou negócios “à margem da lei” entre Benfica e Desportivo das Aves.