Portugal
"Proença mostrou desconforto sem apoio do Benfica e do seu ponta de lança"
2020-05-25 10:55:00
Antigo presidente da Académica diz que "está aberta a caça" na Liga

José Eduardo Simões, antigo presidente da Académica, olha para os mais recentes desenvolvimentos na Liga e considera que Pedro Proença nunca teve a sua posição marcada devido à "falta de apoio do Benfica e do seu ponta de lança Braga".

Em artigo de opinião no jornal O Jogo, o antigo líder da Académica recorda uma conversa tida com Vieira na altura em que Proença levou a melhor na votação com Luís Duque.

"Na altura, conversei com Luís Filipe Vieira, apoiante de Duque, e disse-lhe que este não tinha hipóteses. Era uma luta perdida, pois alguns clubes que (lhe) diziam votar Duque só o faziam para não ficarem de mal com o Benfica", recorda o ex-presidente da Académica.

Simões nota que Proença vem tendo uma governação que "não é carne nem peixe" e nos anos que leva na liderança da Liga "tentou a aproximação aos encarnados".

Com o fim do Conselho de Presidentes, José Eduardo Simões acredita que Proença se viu mais exposto num clima de "paz podre", em que Proença "era alvejado quando necessário e várias vezes de forma pouco digna".

Após lembrar o fim do contrato com os chineses da Ledman, que chegaram a patrocinar o nome da II Liga, Simões revela que com a chegada da covid-19, Pedro Proença entrou num beco sem saída nas decisões mais recentes como o fim na secretaria do segundo escalão, a carta que escreveu a Marcelo Rebelo de Sousa por causa das transmissões e até o fim do contrato com a NOS.

Perante tudo isto, o ex-líder da Académica de Coimbra diz que "está-se mesmo a ver o filme" e "está aberta a caça". "Aceitam-se apostas", desafia José Eduardo Simões.