Portugal
"Não podemos fugir à morte e aos impostos", diz Lage
2020-02-27 23:00:00
Treinador do Benfica reage à contestação após eliminação da Liga Europa

A eliminação da Liga Europa na Luz, frente ao Shakhtar Donetsk, fez aumentar a contestação ao treinador do Benfica, Bruno Lage.

Os assobios foram audíveis no final da partida, expressando o desagrado com o fim da participação europeia das águias.

Quando confrontado sobre a contestação, na conferência de Imprensa, Lage citou as "coisas de que não podemos fugir".

"A primeira coisa é a morte. A segunda é os impostos. Um treinador vai ser despedido. Há coisas de que não podemos fugir", reagiu o técnico encarnado.

Sobre a partida, Lage destacou o "controlo com bola durante 60 minutos", que permitiu criar "muitos problemas ao adversário".

"Continuámos com uma entrada muito forte na segunda parte, mas depois há momentos que pagamos caro, tal como aconteceu na primeira mão", prosseguiu o técnico: "O jogo estava a ficar para o nosso lado e depois do 1-0 eles empatam. Quando fazemos o 3-1, a eliminatória é nossa e sofremos logo o 3-2. Depois perdemos controlo da bola, começámos a precipitar-nos e o Shakhtar começou a ficar mais confortável".

"Merecíamos mais, estamos tristes, mas valeu pelo que fizemos e sentimos que a eliminatória podia ter vindo para o nosso lado. Tínhamos a ambição de passar a fase de grupos da Liga dos Campeões, hoje tínhamos a ambição de seguir em frente na Liga Europa, por isso é uma época falhada a nível europeu", reconheceu Bruno Lage.

Prometendo concentrar a energia "nas 12 finais que faltam" no campeonato "e na final da Taça de Portugal", o treinador do Benfica garantiu estar atento "ao problema da defesa".

"Sabemos o que se passa, está completamente identificado e temos de continuar a trabalhar. Estamos satisfeitos em termos ofensivos", concluiu.