Portugal
"Na primeira parte não tivemos a atitude competitiva que eu pretendia"
2020-06-21 23:55:00
Nuno Manta Santos exige "caráter" ao Desportivo das Aves

 

Nuno Manta Santos, treinador do Desportivo das Aves, não escondeu o desalento pelo golo 'madrugador' do Gil Vicente.

"Sofrer um golo é sempre fatal. É evidente que sofrer aos 10 minutos não é agradável e, da maneira como sofremos, mais desagradável fico. Na primeira parte não tivemos a atitude competitiva que eu pretendia. Estivemos muito mal a defender em termos de agressividade e de reação à perda", explicou, na entrevista rápida à Sport TV.

"Não é esta a atitude, o compromisso e o caráter que tenho pedido à equipa. Disse isso aos jogadores ao intervalo, passando a mensagem de que o mais importante de tudo não era o resultado que íamos obter aqui hoje, mas a competitividade que íamos ter. Ofensivamente até fomos criando e tivemos algum critério nas saídas, mas nos últimos 20/30 metros a decisão não era a melhor. Depois tínhamos sempre o problema do equilíbrio defensivo, no qual não estivemos bem e permitimos ao Gil Vicente sair muitas vezes em transição na primeira parte", insistiu.

O Desportivo das Aves mostrou outra postura após o intervalo, mas já o Gil Vicente estava "bastante confortável" com o resultado.

"Fomos mais competitivos, agressivos e aguerridos. Chegámos algumas vezes perto da área do Gil Vicente, fizemos um golo invalidado e defensivamente cometemos erros que custam muito no futebol e pagam-se caro na alta competição", sustentou o técnico.

"Neste momento não faço contas. Estou preocupado com o jogo e aquilo que a equipa tem de apresentar. Não fiquei agradado com o trabalho defensivo. Podíamos perder 3-0 ou 4-0, mas há comportamentos que têm de existir sempre num profissional. Hoje houve momentos na primeira parte em que não fomos competentes e o responsável sou eu”, concluiu Nuno Manta Santos.