Portugal
“A pastelaria do senhor Soares Dias não estaria aberta”, diz Vieira
2020-02-10 20:15:00
Presidente do Benfica acusa Governo de se demitir das responsabilidades

O presidente do Benfica condenou a "dualidade de critérios" de Artur Soares Dias no clássico do Dragão, reiterando a necessidade de haver árbitros estrangeiros nas partidas que envolvem os dois candidatos ao título.

Em declarações aos jornalistas, no aeroporto de Lisboa, Luís Filipe Vieira apelou à tutela e aos organismos que regem as competições nacionais para resolverem "o problema da segurança" no futebol português.

"A FPF e a Liga tem que saber o que querem do futebol. Não podemos continuar a esconder. O Governo não se pode demitir do que se vai passando no futebol português", frisou.

"É tudo muito bonito, muito bonito, mas o Governo está a demitir-se. Todos sabem o que se passou no Porto. Enforcaram um árbitro. As mensagens em todo o lado. Deixam as paredes com óleo. Proibiram nos de entrar às 15h00 e só deixaram às 17h00. A polícia foi conivente com isto", reiterou o dirigente encarnado.

Vieira lamentou que haja "uma desconfiança muito grande" no futebol português, em que "penduram árbitros numa forca".

"Se as pessoas acham que são o Benfica e o FC Porto que estão envolvidos, então metam árbitros estrangeiros" para os jogos de ambos, reforçou o presidente das águias, deixando a provocação: "A pastelaria do senhor Soares Dias não estaria aberta se o penálti fosse marcado a favor do Benfica".

O dirigente colocou em cheque o presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), Luciano Gonçalves.

"A dualidade de critérios é flagrante. O Benfica não está a perseguir ninguém. Mandei uma mensagem ao presidente da APAF. E ele respondeu. Não vou mostrar, mas desafio-o a ele a mostrar que é para verem até onde vai a hipocrisia".

Lembrando que tem um passado público no futebol, "está aí no Alverca e no Benfica", Luís Filipe Vieira finalizou com a crença de que "a justiça vai julgar".