Grande Futebol
Tottenham de Mourinho vence City de Guardiola com 'ajuda' do videoárbitro
2020-02-02 21:15:00
Campeão inglês fica a 22 pontos do Liverpool

Um golo do estreante Bergwijn abriu hoje caminho à vitória do Tottenham, de José Mourinho, diante do campeão Manchester City, por 2-0, em jogo da Liga inglesa em que o videoárbitro (VAR) foi protagonista.

Naquele que foi o 23.º duelo entre Mourinho e Pep Guardiola, antecedido de elogios do espanhol à carreira do português, o triunfo dos ‘spurs’ acabou, sobretudo, por ‘ajudar’ o líder Liverpool e fazer os londrinos subirem ao quinto lugar.

As ‘contas’ da derrota deixam o City a 22 longínquos pontos do líder Liverpool, o que pode deixar a equipa de Jürgen Klopp a comemorar o título, que lhe escapa há 30 anos, muito cedo, já em março, bastando-lhe seis triunfos.

Hoje, em casa do Tottenham, o City começou por estar, como era previsível, por cima do jogo, num primeiro tempo em que o VAR foi crucial em alguns momentos: reverteu uma decisão e deu penálti e entendeu que um outro não era, ambos para a equipa de Manchester.

Primeiro, Aguero reclamou grande penalidade, que Mike Dean não atendeu, mas o videoárbitro ‘corrigiu’ a decisão, e Gundogan, aos 40 minutos, da marca dos 11 metros, permitiu a defesa de Lloris, que, ao defender, parece ter derrubado Sterling.

Aqui, o árbitro apontou para nova grande penalidade, e o VAR retificou uma vez mais, referindo não ter existido falta, na disputa da bola que sobrou do penálti, entre Lloris e Sterling.

Foi um final de primeira parte tenso, com vários jogadores em discussão, e que provocou amarelos a Alderweireld e Zinchenko, este crucial para o resultado nos segundos 45 minutos, período em que o ucraniano veria o segundo amarelo.

O lateral não tentou jogar a bola, atingindo apenas o adversário, e a sua expulsão, aos 60 minutos, acabou por definir o jogo, em que o City tinha estado sempre mais perto do golo.

Pouco depois, aos 63, foi a estreia de sonho de Steven Bergwijn, que chegou esta semana ao Tottenham, proveniente do PSV, com o holandês a fazer o 1-0, num lance em que amorteceu no peito e rematou à meia-volta.

Guardiola ainda tentou equilibrar o setor defensivo, com a entrada de João Cancelo, e Mourinho manteve no banco Gedson Fernandes e fez entrar Ndombele e Lamela, com o primeiro a assistir quase de imediato Son para o segundo golo.

O sul-coreano recebeu à entrada da área e Ederson esticou-se, mas não evitou o segundo, aos 71 minutos.

No City, Bernardo Silva ainda foi opção aos 84, para o lugar de Sterling, num jogo que significou a sexta derrota de Guardiola frente a Mourinho, a segunda na Liga inglesa, com o espanhol a ter franca vantagem nos duelos (10 triunfos).

Mais cedo, o Arsenal continuou a sua ‘triste’ caminhada na ‘Premier League’, ao somar o quarto empate consecutivo, com os ‘gunners’ afundados num sofrível 10.º lugar, a 42 pontos da liderança e a seis do último lugar europeu, o quinto.

A equipa empatou sem golos na visita ao Burnley, que segue no 11.º lugar, com os mesmos 31 pontos.