Grande Futebol
Nápoles conquista Taça de Itália frente à Juventus de Cristiano Ronaldo
2020-06-17 22:20:00
Equipa de Mário Rui triunfa na decisão por penáltis

A eficácia no desempate por penáltis (4-2), que tinha faltado nos 90 minutos, valeu hoje ao Nápoles a conquista da Taça de Itália, frente à Juventus, de Cristiano Ronaldo, que perdeu a segunda final da época.

Depois de terem tido mais oportunidades no tempo regulamentar, mas não as terem conseguido aproveitar, os napolitanos acertaram as quatro tentativas na ‘lotaria’, ao contrário da formação de Turim, que desperdiçou as duas primeiras, por Dybala e Danilo.

O argentino permitiu a defesa ao guarda-redes Meret e o ex-jogador do FC Porto atirou para as ‘núvens’, comprometendo as ambições da ‘Juve’, que, em dezembro, já havia deixado fugir a Supertaça, derrotada pela Lazio na Arábia Saudita (1-3).

Cristiano Ronaldo jogou os 90 minutos, mas quase não se viu, falhando a possibilidade de fazer o pleno de conquistas internas em Itália, depois da Supertaça e da ‘Serie A’ em 2018/19, enquanto Mário Rui esteve regular no Nápoles, até sair aos 81 minutos.

A Juventus tentou, de início, assumir mais o jogo, mas só conseguiu criar perigo em dois maus passes na saída para o ataque de Callejón, ‘transformados’ em remates de Cristiano Ronaldo (cinco minutos) e Bentancur (20), que Meret deteve.

Os napolitanos demoraram a criar perigo, mas, quando o fizeram, estiveram perto de marcar, num livre do ‘capitão’ Insigne ao poste direito da baliza defendida por Buffon, aos 24 minutos.

Uma nova perda na transição, desta vez de Koulibaly, valeu a terceira ocasião para a ‘Juve’, com Dybala, num ‘dois contra um’, a não conseguiu isolar Ronaldo, aos 39 minutos, também por culpa de uma saída decidida do guarda-redes napolitano.

Na parte final da primeira parte, no espaço de pouco mais de um minuto, o Nápoles criou três boas hipóteses para faturar, com Alex Sandro a salvar o remate de Insigne e Buffon a deter os de Demme e, outra vez, do ‘capitão’.

A segunda parte arrancou com grande equilíbrio e com as duas equipas com dificuldades para criar oportunidades, ficando-se por ‘tímidos’ remates de Callejón (52 minutos) e Fabián Ruiz (61), para o Nápoles, e Bonucci, para a ‘Juve’ (64).

Depois, começou a ‘dança’ das substituições e dois dos suplentes napolitanos ‘assustaram’, mas Buffon segurou o remate de Politano, aos 68 minutos, e Milik, em excelente posição, atirou para as ‘núvens’, aos 72.

O ‘onze’ de Gennaro Gattuso voltou a estar perto do golo na parte final, mas Insigne atirou muito por cima, aos 84 minutos, e quase a acabar, aos 90+2, Buffon defendeu um cabeceamento de Maksimovic e, na recarga, Elmas atirou ao poste esquerdo.

O Nápoles não marcou no tempo regulamentar, mas acabou por ser premiado nos penáltis, com Meret a parar o primeiro, de Dybala, e Danilo a atirar o segundo muito por cima. Nos remates do Nápoles, Buffon não conseguiu fazer mais ‘milagres’ e a ‘Juve’ perdeu.