Portugal
"Seleção vive à base de interesses. Os empresários é que mandam, como o Mendes"
2019-09-14 17:20:00
Carlitos admite que apenas foi internacional sub-21 por Portugal "por causa de José Veiga"

Formado no Arrentela, Carlitos chegou ao Benfica em 2004/2005, depois de ter dado nas vistas no Amora e ter confirmado o potencial em duas temporadas no Estoril. Aos 37 anos, a procurar um clube onde possa competir, o ex-internacional sub-21 por Portugal concedeu uma entrevista à 'Tribuna Expresso' na qual revelou como se deu a transferência para os 'encarnados'.

"O Veiga [empresário que levou Carlitos para o Estoril] foi para diretor desportivo do Benfica e levou-me com ele. Na altura tinha o FC Porto e o Benfica a disputar-me, ainda fui falar com o Pinto da Costa, ao Porto. Ele [Pinto da Costa] reservou um restaurante para falarmos. Só estavam os empresários, o tal senhor de cabelos brancos, o meu padrasto, ele e a Carolina Salgado. O restaurante fechado, só nós e as pessoas a servir. Era uma coisa bem elaborada, bem à Pinto da Costa, e eu fiquei com medo", começou por contar. 

"Eu tinha mais um ano com o Estoril, que era do Veiga e do Damásio, não me iam deixar ir para o Porto. Ele dizia: 'Ficas lá mais um ano e eu pago-te o salário'. Achei que ia dar confusão. Quando viemos para baixo disse ao meu padrasto: 'Quero ir para o Benfica senão eles ainda vão desistir'. (...) Mas eu sempre quis assinar pelo Benfica. Desde pequeno a torcer pelo Benfica, a ver jogos no estádio da Luz, só pensava, um dia quero lá estar", acrescentou. 

A transferência aconteceu mas uma lesão sofrida no início da pré-temporada, então com Trapattoni, dificultou a tarefa a Carlitos. Sem se conseguir impor, rumou ao Vitória de Setúbal na época seguinte sem nunca mais ter conseguido mais voltar ao Benfica. 

"Eu tinha clubes interessados em mim, o Braga, o Belenenses que na altura estavam bem, o Setúbal inclusivé, só que o Benfica não me deixou ficar em Portugal. Disse: 'Ou vais para fora ou aqui não jogas'. (...) Eu disse que não queria ir para fora, queria ficar aqui no Benfica ou em Portugal. Mas o Luís Filipe Vieira disse: 'Não, se ficares aqui em Portugal, ficas a correr à volta do campo'. Eu tinha mais dois anos de contrato. (...) Aceitei ir emprestado um ano para o Sion", conta o jogador. 

Afastado dos campeonatos mais mediáticos, Carlitos lamenta que nunca mais tenha sido chamado para representar a seleção nacional, depois da estreia no Europeu sub-21 de 2004. 

"A partir daí nunca mais me chamaram. Acho que sim, que é a maior frustração que tenho. Quando estive no Basileia joguei contra o Barcelona, joguei contra várias equipas e sempre fui um dos melhores da minha equipa, mas nunca tive oportunidade na seleção. Acho que a seleção vive à base de jogos de interesses. Os empresários é que mandam, como o Jorge Mendes. A equipa de Portugal é quase toda do Jorge Mendes. Tudo jogos de interesse, para ter internacionalizações para o valor do jogador subir. Eu fui à seleção de Sub-21 por causa do Veiga basicamente. Fui o único da II Liga a ir naquela altura para a equipa de Sub 21 porquê? Porque o Veiga é que me conseguiu meter lá", revelou. 

Depois das passagens por Basileira, Hannover, Estoril e Sion, Carlitos, atualmente com 37 anos, continua a sentir-se bem para competir, mas reconhece que a idade é um problema. 

" Estou com um empresário, o Paulo Ventura, sei que é difícil, já vou fazer 37 anos, e só joguei sete jogos na época passada. Mas queria continuar a jogar pelo menos mais uma ou duas épocas, porque sinto-me bem. (...) Não, quero é jogar futebol. Estava disposto a ir fazer uns treinos de captação para verem como é que estava. Mas até agora não tive sorte", concluiu.